segunda-feira, Maio 21, 2018
Home > Notícias > Dia das Comunicações Sociais

Dia das Comunicações Sociais

Fake News e Jornalismo de Paz: a palavra aos comunicadores

Card. Tempesta, Ilze Scamparini, Gerson Camarotti e outros comentam a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais.
 

Pe. Arnaldo Rodrigues e Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

“Fake news e jornalismo de paz”: a este tema o Papa Francisco dedicou sua mensagem para o 52° Dia Mundial das Comunicações Sociais, celebrado neste domingo (13/05).

No texto, o Papa deixa claro que um jornalismo de paz não significa “um jornalismo bonzinho, que negue a existência de problemas graves e assuma tons melífluos”, mas convida a fazer um jornalismo “sem fingimentos, hostil às falsidades, a slogans sensacionalistas e a declarações bombásticas”.

Mas jornalismo de paz é um conceito ou é possível praticá-lo, sobretudo em meio a interesses e pressões por uma informação veloz e rentável? Afinal, o que é e o que representa jornalismo de paz para os profissionais da área? Para responder a esta pergunta, o VATICAN NEWS convidou comunicadores renomados no Brasil:

Ilze Scamparini – Vaticanista, correspondente da TV Globo

“O jornalismo de paz é aquele com o qual nós que escolhemos essa profissão sempre sonhamos, que é o jornalismo justo, mas não só, é o jornalismo ético, mas não só, é o jornalismo livre e democrático, mas não só, é acima de tudo um jornalismo de bom senso. Se um jornalista consegue em cada matéria que fizer, respeitar isso, eu acho que a profissão vale a pena.”

Gerson Camarotti – Jornalista, escritor e comentarista político da Globo News e CBN

“Recordo-me muito quando estava me formando nos anos 90 e fui conversar com o arcebispo emérito da minha cidade, Dom Hélder Câmara, pedindo conselho. Assim me disse: ‘Olha Camarotti, o jornalismo era a profissão do meu pai, profissão do meu avô, o jornalismo tem que ser fonte de verdade’. É isto que busco na minha profissão, tentar passar a verdade e ir em busca da verdade para noticiar é a melhor forma de se ter um jornalismo de paz. Às vezes, uma verdade incomoda, como por exemplo do Brasil que vive um tempo de escândalos de corrupção, mas o papel do jornalista é dar uma dimensão correta, a notícia verdadeira sobre o que está acontecendo no país.”

André Trigueiro – Professor da PUC-Rio e jornalista da Globo especializado em jornalismo ambiental

“O jornalismo de paz é aquele que não fomenta a violência gratuitamente, não é um jornalismo que omite fatos alusivos às causas, às origens e às razões da violência; ele precisa reportar indicadores de violência até mesmo para a sociedade ter condições de fazer as escolhas certas na área da educação, da segurança pública, na área da proteção da família e do planejamento familiar etc. O jornalismo de paz procura sensibilizar governos e a sociedade para a necessidade de uma atenção imediata e urgente para os que mais precisam, os excluídos, os mais pobres e os sem oportunidades.”

Veronica Machado (Koca Machado) – Professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), publicitária e sócia-executiva do Grupo Sal:

“Os preceitos do jornalismo da paz são os mesmos do jornalismo raiz, apuração dos fatos através de fontes confiáveis. Na era do conhecimento, as pessoas estão se contentando com informações rasas e fúteis. Acredito que o jornalismo da paz é a tentativa do resgate ético da informação”.

Fernando Morgado – Professor das Faculdades Integradas Hélio Alonso (FACHA) e da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Rio de Janeiro:

“Mais do que informar, o jornalismo também forma, ele também educa. Mais do que registrar os movimentos sociais, de certa maneira participa deles. A responsabilidade é muito grande, por isso jornalismo de paz é quando você exerce esta atividade de relatar os fatos com responsabilidade, sobretudo visando a intenção de desenvolver a sociedade, de fazer um mundo melhor, para que o jornalismo possa inspirar as pessoas a evoluírem e criarem aquilo que é maior e tão importante, que é a cultura de paz. Uma cultura contra o ódio, contra os conflitos e formando com responsabilidade e gerando a reflexão de maneira adequada. O jornalismo pode ter uma contribuição decisiva para o desenvolvimento do mundo como um todo.

Cardeal Orani João Tempesta – Arcebispo do Rio de Janeiro

“Creio que em um tempo de tanta violência e tantas mentiras, tantas fakes news, o trabalho dos cristãos católicos em divulgar a verdade e saber selecioná-las é a grande motivação do 52° Dia Mundial das Comunicações. Nesse tempo, é muito importante que nós possamos escolher cada vez mais pela verdade e também saber selecioná-las, saber ouvir a verdade de tal maneira que seja uma verdade que nos liberte. Ao transmitir as notícias, que não façamos com raiva ou vingança, mas procurando iluminar, para que cresça cada vez mais e melhor aquilo que constrói uma humanidade mais justa e fraterna.”

Fonte: Vatican News